top of page

Gratidão

Terminado o primeiro semestre nosso coração se enche de alegria por tudo que construímos até aqui! De fato, até aqui nos ajudou o Senhor (I Sm 7,12)! Queremos agradecer a todas as pessoas que têm dado o seu melhor para a construção da edificação espiritual de nossa comunidade!

Nosso olhar se volta de modo muito carinhoso aos que se dedicaram intensamente na preparação e durante a nossa tradicional Festa Julina! Foram tantas pessoas! Tantos dias de preparação! Tantas horas gastas! Tanto cansaço! Mas tanta disposição! Louvamos a Deus por tudo que nos permitiu construir! Porque não nos permite cair na tentação do desânimo (um grande pecado).

Queremos louvar o esforço, a perseverança, a generosidade, a gratuidade, o capricho, a humildade das almas generosas que deram o melhor de si para o bem comum de nossa comunidade! Deveria ser consolador saber que o nosso trabalho e nosso cansaço não serão em vão, afinal tudo é dEle, por Ele e para Ele! A Ele a glória pelos séculos sem fim!

Louvamos também todas as pessoas que souberam acolher os novos irmãos e irmãs, fazendo-os se sentirem importantes e especiais porque também podem ser cooperadores da Obra de Deus! A Festa Julina é um momento de evangelização e confraternização! Onde nos evangelizamos para o serviço, o espírito de equipe, o perdão, a humildade de aceitar fazer trabalhos simples ou exigentes e onde nos confraternizamos porque, afinal, o amor de Cristo nos uniu!

Um obrigado mais que justo e merecido à Comissão de Festas: Rodrigo, Hélio e Fernando e nestes nomes agradecemos a todos os envolvidos na nossa grande festa da alegria, da fraternidade, da família, da amizade, das comidas típicas, das brincadeiras de criança com as bênçãos de Santo Antônio, São João e São Pedro!

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Meditações para o 2 de Novembro

<p>A comemoração dos mortos teve origem na França, no início do século X. No convento de Cluny vivia um santo monge, o Abade Odilão, que ...

Ora et labora no mundo

<p>A Regra de São Bento, do Capítulo VIII ao Capítulo XX, fala de como a oração dos monges deve ser organizada.&nbsp; Como monges que viv...

Padres do Deserto, medo e nosso tempo

<p>O medo é uma fraqueza que toca a cada um aleatoriamente? É algo diante do qual nada há de se fazer? É possível viver a vida como homen...

bottom of page